Como embalar objetos frágeis para uma mudança?

Numa mudança, cristais, vasos, porcelanas e todos os objetos que podem ser quebrados com facilidade devem ser alvos de atenção especial. Veja nossas dicas para não errar na embalagem.

mudança8

Na hora de organizar a sua mudança, uma boa estratégia é classificar os objetos que devem ser embalados, dividindo-os em dois grupos: frágeis e resistentes. É assim que você conseguirá que tudo esteja bem ordenado, o que transforma o processo de embalagem numa tarefa mais cômoda e fácil. Veja dicas valiosas para proteger objetos delicados e conseguir que os mesmos cheguem intactos ao destino final.

A organização e separação em caixas por tipos de objetos facilita a chegada da família à casa nova. Tudo pode ser desembalado com maior rapidez, facilitando o processo de colocar cada coisa em seu lugar. Isso sim: cristais, jarras, vasos, louças, porcelanas e todos os objetos que podem ser quebrados com facilidade devem ser alvos de atenção especial.

Se você vai contratar o serviço de embalagem a uma empresa especializada, não deixe de indicar quais são os objetos que devem ser transportados como “sensíveis”. Mas se você tomar a dianteira e optar por realizar a embalagem da maior parte dos objetos, veja seis dicas para não errar na escolha do material nem na acomodação para o transporte.

Dica 1:

Dependendo dos objetos que tenha em sua casa, serão necessários materiais especiais. Mas, para começar qualquer processo de embalagem, são indispensáveis as caixas de papelão, o plástico-bolha e as folhas de jornal (ou papel kraft).

Dica 2:

segredo para evitar o choque entre objetos é não colocar demasiados itens na mesma caixa. Intercale sempre os objetos com folhas de papel amassadas, para preencher os espaços sobrantes e absorver os impactos no carregamento e transporte.

flickrRadamesAjna.jpg

Dica 3:

plástico-bolha deve ser usado com consciência, já que somente uma capa não é suficiente para proteger itens mais delicados como taças, castiçais, porcelanas, etc. Para um resultado mais profissional, você pode comprar papelão ondulado e utilizá-lo para embalar tais objetos depois de uma primeira camada de papel kraft.

Dica 4:

Para garantir que não haja qualquer choque entre os objetos, outra opção são as caixas do tipo engradado (geralmente de madeira). Forradas de espuma, mantém cada objeto isolado de qualquer tipo choque durante a mudança. Nesse caso, melhor que comprá-las, é alugá-las. Procure a empresa de transporte contratada ou uma empresa especializada em embalagem.

flickrthmsnl.jpg

Dica 5:

Apesar de não parecer, televisões, computadores, aparelhos de vídeo e de som também devem ser tratados como objetos sensíveis. A embalagem mais simples consiste em envolvê-los em plástico-bolha e depois em manta acolchoada.

Porém, existem caixas de tamanho personalizado, que podem receber esses objetos com um suporte de isopor para evitar que se movam. Isso sim, nunca se esqueça de embalá-los com plástico-bolha antes de colocar nas caixas personalizadas.

Dica 6:

Nunca se esqueça de fechar bem cada caixa com fita adesiva e indicar o conteúdo no exterior, com pincel atômico. Os objetos sensíveis devem ser os últimos a entrar no caminhão de mudança e os primeiros a serem descarregados no destino final.

Ter um inventário dos seus pertences vai ajudar o trabalho da empresa de transporte e, até mesmo, impedir que cometam alguma imprudência.

Fotos (ordem de aparição): livre de direitos, Radames Ajna e thms.nl (Flickr)

 

Aluguel de “guarda-móveis” é opção para quem não tem espaço em casa

Clientes alugam espaço para guardar objetos.
Procura em Sorocaba fez empresas de self-storage expandirem o negócio.

Um novo tipo de negócio está crescendo no Brasil, principalmente em São Paulo, e tem tudo a ver com a reforma de casas e escritórios. São os chamados self storage, uma espécie de guarda-móveis.

O apartamento do advogado Rodrigo Leone ficou uma bagunça com a reforma. “Temos muitas caixas ainda a serem montadas outras”, conta.

Rodrigo ainda vai precisar de arquiteto, eletricista, pedreiro para concluir a reforma do apartamento só que bem antes disso ele teve que se livrar de tudo que estava em excesso nos cômodos, como móveis, objetos, roupas e precisou guardar tudo isso fora do apartamento.

O jeito foi alugar um self storage, uma espécie de guarda-móveis. “Quando as coisas estão em casa você não tem uma visão real do espaço. Quando a gente optou por tirar tudo, automaticamente o espaço se amplia de tal forma e a decisão foi maravilhosa porque hoje eu posso lhe dizer que boa parte que veio ao boxe pode não voltar porque a gente guarda muita coisa. Não vou dizer inútil, mas que pode ser passada, reaproveitada”, fala Rodrigo.

Existem boxes de um a 80 metros quadrados. O aluguel custa, em média, R$ 70 o metro quadrado. O negócio deu tão certo que em um ano e meio a empresa abriu seis lojas na região metropolitana de São Paulo.

“O self storage entra para ser a extensão da casa dessa família ou dessa pessoa que mora hoje num espaço que ela tem que conseguir hoje fazer melhor uso”, fala Thiago Cordeiro.

Uma outra self storage também acaba de desembarcar na cidade. “Ele digita uma senha, que é dele, ele vai entrar no boxe dele, armazenar o que ele precisa resolveu a vida dele. Vai embora, digita a senha, abriu o portão e vai embora”, conta Arthur Ostrovsky, gerente geral de operações.

A intenção das empresas era atrair principalmente escritórios que precisassem de um lugar para guardar documentos, mas 80% dos clientes hoje são como o casal Lucas e Kátia Pinheiro.

“Esses ventiladores são herança de família então a mãe deixou, aí tem cadeira para guarda sol. Geladeira, micro-ondas, dois micro-ondas meio perdidos meio parados em casa”, fala o músico Lucas Pinheiro.

Os objetos estavam em cima do guarda-roupa, embaixo da cama do casal ou no quarto dos filhos. “Não tem como você pensar que estava enfiado em algum canto da minha casa. Foi uma beleza você sabe poder ver as coisas fluindo dentro de casa”, fala Kátia Pinheiro.

6 dicas de como organizar a mudança de casa

A especialista em organização Ingrid Lisboa dá dicas de como se organizar durante a mudança

mudança

1. Decida quem fará sua mudança

O primeiro passo é você decidir se fará sozinha a mudança toda ou se contratará uma empresa de transporte. “Para quem quer economizar, existe a possibilidade de, com ajuda de família e funcionários, fazer todo o processo de embalagem e investir apenas no transporte das caixas. Neste caso, prepare-se, pois a organização será ainda mais decisiva. Embalar tudo pode levar vários dias”, afirma a especialista em organização Ingrid Lisboa, do Home Organizer.

2. Estabeleça uma ordem para transportar

A segunda tarefa é decidir em que ordem suas coisas deverão chegar na casa nova (para esquematizar a entrega dos itens essenciais no primeiro dia de transporte) e também quantos dias você consegue esperar para habitar o novo lar. “Sugiro que pelo menos nas duas primeiras noites pós-mudança você fique num hotel ou na casa de alguém íntimo. Basta providenciar, para todos os membros da família, uma mala para três dias, como se fosse uma viagem de feriado prolongado. Pesquise a previsão do tempo para estes dias, para evitar surpresas. E não esqueça de levar tudo o que vocês precisam para se sentir confortáveis, mesmo estando fora de casa”, sugere Ingrid.

3. Identifique os itens das caixas

Outro ponto bastante importante é você organizar e nomear as caixas de mudança de acordo com o que tem dentro. “Não confie apenas na descrição que a empresa de mudança fizer, caso você tenha contratado uma. Compre canetões grossos e detalhe o conteúdo de cada caixa. Garanto que vai ajudar muito, tanto durante o desempacotamento quanto na eventualidade de você precisar de algo mais específico antes de finalizar a organização de tudo na casa nova. Vale descrever com mais detalhes o conteúdo, algo como: envelopes e papelaria da segunda e terceira gavetas da bancada. Ou ainda, em vez de simplesmente roupas, informe que a caixa contém biquíni e roupa de ginástica, ou ainda vestidos de festa. Muito tempo, estresse e esforço poderão ser economizados”, defende a profissional.

4. Começa pela cozinha na casa nova

“Na casa nova, o primeiro passo será organizar os itens de uso diário da cozinha, pois é o local que todos os moradores frequentam todos os dias. Providencie a lavagem imediata apenas destes itens de uso diário. Os objetos de pouco uso podem ser lavados posteriormente”, indica Ingrid Lisboa, do Home Organizer.

5. Como organizar o novo quarto

Passe para a organização dos quartos e itens pessoais. Somente depois siga para louçaria, prataria, home office, biblioteca, fotos e depósito. “No quarto, priorize os guarda-roupas, organizando inicialmente as roupas de cabide, pois costumam amassar com facilidade. Mas evite o retrabalho. Não arrume as roupas de qualquer forma, para organizar depois”, ensina Ingrid.

6. Com organização e sem estresse

Organize-se dia a dia para conseguir finalizar a organização da casa toda com o mínimo possível de estresse. Como? “Fazendo uma lista que contenha, com honestidade, quais locais serão organizados a cada dia. E, para finalizar: peça ajuda e aceite ajuda – sinceramente. Deixe de lado a perfeição e permita-se ser a melhor imperfeita que conseguir, com toda ajuda que for possível! Garanto que vale a pena. E que você se sentirá satisfeita com o resultado final”, finaliza Ingrid Lisboa.

* Com informação do blog Home Organizar, de Ingrid Lisboa.